A geração de energia elétrica do Reino Unido foi realizada, durante três dias completos, sem utilizar um única usina a carvão. Isso marca um novo recorde para os britânicos e evidencia o declínio rápido desse poluente fonte de energia.

O carvão é uma das fontes de energia fundamentais da matriz energética do Reino Unido. No ano passado, pela primeira vez, desde o século 19, houve um período de 24 horas em que essa fonte não foi utilizada.

Um novo recorde, de 55 horas consecutivas, ocorreu durante o mês de abril de 2018. Mas, novamente, no final do mês, o recorde aumentou para 76 horas com as usinas a carvão desligadas.

Sem as usinas a carvão, metade da energia foi fornecida por usinas eólicas e nucleares, um terço foi fornecida por usinas a gás e o restante por energia solar, biomassa ou foi importada da França e Holanda.

Especialista do setor avisam que mais recordes como esse acontecerão ainda neste ano. “O crescimento da capacidade instalada de fontes de energia renovável no Reino Unido fará com que mais recordes sejam quebrados, mostrando o progresso feito nas últimas duas décadas”, diz Jonathan Marshall, analista da Unidade de Inteligência Energética e Climática.

A taxação do carbono, baixo preço do gás e o crescimento das fontes renováveis atingiram em cheio os operadores de usinas a carvão. O governo definiu um prazo para acabar com a utilização dessa fonte de energia: outubro de 2025. Duas usinas irão fechar ainda neste ano, deixando o país com apenas seis delas.


Traduzido e adaptado de The Guardian