Facebook, que ocupa o segundo lugar no ranking de maiores compradores corporativos de eletricidade em contratos de longo prazo, já é ameaçado pela maior fabricante de produtos de alumínio da Europa.

A Norsk Hydro fechou um contrato de longo prazo para compra de energia elétrica por 29 anos de um parque eólico offshore planejado na Suécia. É a maior duração para contratos do tipo na Europa, segundo dados da Bloomberg New Energy Finance. A produtora de metal já ultrapassou Apple, Amazon.com e Microsoft na classificação mundial de contratos de compra de energia.

Diversos tipos de companhias estão aproveitando a redução dos custos de tecnologia do setor de energia elétrica para fazer seus próprios contratos de longo prazo de suprimento, enquanto governos tentam reduzir os subsídios pagos às energias renováveis. Isso congela os preços que elas pagarão e permite que a eletricidade venha de fontes limpas, o que reforça a preocupação com o meio ambiente.

“Espere ver mais casos como este”, disse Ed Northam, diretor do Green Investment Group do Macquarie Group na Europa, que realizou o acordo. A Norsk Hydro “está solucionando uma grande parcela dos próprios custos de eletricidade – sem esse apoio, talvez este projeto não acontecesse.”

O acordo deixa a Norsk Hydro muito perto da capacidade total de 1,7 gigawatt do Facebook adquirida em contratos de longo prazo. O Google, unidade da Alphabet, é o maior comprador corporativo de contratos de compra de energia, com quase o dobro dessa capacidade, segundo dados da Bloomberg.

Os custos da energia eólica onshore caíram tanto que a Norsk Hydro percebeu que poderia diminuir o risco do preço da energia comprando diretamente de projetos ainda em fase de  planejamento. A empresa já usa principalmente energia hidrelétrica para atender à demanda energética e procura formas de reduzir os custos. A companhia também quer vender alumínio fabricado com uma fonte de eletricidade menos poluente.

A eletricidade representa cerca de um terço das despesas da Norsk Hydro. O preço da energia nórdica para entrega no quarto trimestre deste ano mais que dobrou e baterá o recorde em 2018. As empresas preferiram não dar detalhes sobre o preço que a Norsk Hydro vai pagar pela eletricidade. “É um preço que consideramos comercialmente atraente”, disse Tor-Ove Horstad, responsável pelas negociações de contratos de energia na empresa. “Isso nos dá muita certeza.”

“Quando não há vento, a energia é fornecida pela rede, que é predominantemente  hidrelétrica”, disse Horstad. É “extremamente improvável” haver escassez de energia eólica e hidrelétrica simultaneamente, mas, como o projeto eólico corre risco se não houver vento suficiente – é necessário comprar no mercado para preencher o contrato com a hidrelétrica.

Os contratos de compra de energia atuais da Norsk Hydro variam de 10 a 25 anos. A energia eólica acabará suprindo cerca de um quarto das necessidades anuais da empresa, e a hidrelétrica abastecerá grande parte do restante.

O contrato permitiu que a GIG financiasse 270 milhões de euros (US$ 314 milhões) para o parque eólico onshore de 235 megawatts na região central da Suécia. O projeto inclui 56 turbinas da Siemens Gamesa Renewable Energy que têm 220 metros de altura, as estruturas mais altas da Escandinávia.

A construção do projeto na região norte do país começará “imediatamente” e deve ficar pronta até dezembro de 2019.


Fonte: Traduzido e Adaptado de Bloomberg